Motivação para o sucesso académico


É frequente encontrar alunos que se questionam sobre o que deve fazer para conseguir motivar-se para a escola e sua aprendizagem formal. Lamentam-se e constatam que para outras situações (além da escola) estão sempre prontos a aprender, mas para o contexto escolar o mesmo não se verifica. “Se fosse assim na escola!” é uma expressão frequente de se ouvir!

A palavra motivação vem do latim movere, que significa “mover”. A motivação é, então, aquilo que é susceptível de mover o indivíduo, de o levar a agir para atingir algo, e de lhe produzir um comportamento orientado. A motivação tem por objectivo a busca do prazer, o único e verdadeiro motivo de todas as acções humanas Podemos definir motivação como o conjunto de forças internas  que mobilizam o indivíduo para atingir um dado objectivo como resposta a um estado de necessidade, carência ou desequilíbrio.

Não existe uma classificação para as motivações, mas várias. As motivações podem classificar-se em dois grandes grupos, as fisiológicas e as sociais. As motivações fisiológicas (primárias, básicas, biológicas, orgânicas) são as que estão ligadas à sobrevivência do organismo e não resultam de uma aprendizagem. Como exemplos temos a fome, a sede, evitar o frio e o calor, sono, etc.  As motivações sociais (secundárias, culturais) são as que dependem essencialmente de aprendizagens, isto é, foram adquiridas no processo de socialização. Exemplos: Necessidade de convivência (afiliação), de reconhecimento, de êxito social, de segurança, de ser aceite, de pertencer a um grupo, de alcançar um estatuto social elevado, de enriquecer, etc.

Para agir em qualquer situação, é necessário primeiro a vontade de realizá-la, senão nada acontece. Se não houver vontade, tudo se complica. Este facto também ocorre na educação. É importante teres objectivos definidos pois isso ajuda a estabeleceres metas e a te comprometeres em cumpri-las.  Saber o que se quer ajuda a motivares-te!

A vida não é só escola e deves desenvovler actividades extra que gostes. Pode ser o futebol, o teatro, a música, a pintura,…, tem é de ser algo que gostes de fazer, que te dê prazer e onde possas vivenciar sucesso. Isso ajuda a poderes transportar esse índole motivacional para a escola.

Os teus pais e professores também têm uma palavra a dizer. Criar e entusiasmar pelo gosto de aprender é das tarefas mais globais e transversais a todos os pais e professores, todas as disciplinas, todos os anos, sempre,…  Um professor entusiasmado, dinâmico pela sua presença e atitude transmitirá um modelo balizador e motivador para os alunos. Certamente que há alguns professores que te motivam a estudar e trabalhar mais que outros! Assim como puxam por ti, puxa também pelos teus professores mais passivos! Se eles forem dinâmicos e motivadores facilita todo o processo!

Como modelo, o professor deve trabalhar e pensar em estratégias e recursos para fazer com que o aluno queira aprender, por outras palavras, deve fornecer estímulos para que o aluno se sinta motivado a aprender. Para do que a matéria que ensina deve preocupar-se também na forma como motiva os alunos.

Nem sempre é fácil nem pacífico conseguir que pais e professores consigam motivar os seus filhos/alunos. Quando o aluno está motivado para atingir uma dado objectivo, e por um obstáculo qualquer não o consegue atingir, vive um estado de frustração. Este sentimento de  depende de muitos factores: personalidade do sujeito, idade, natureza da motivação, tipo de obstáculo, etc. A resposta mais eficaz tem uma única palavra, pouco usada no dia a dia, mas fundamental: resiliência. Esse é o nome dado à capacidade de vencer dificuldades e se deixar transformar por elas, saindo ainda mais forte da situação. Os professores devem ser resilientes, os ALUNOS devem ser resilientes, os pais devem ser resilientes, sem serem chatos!

 

Deixar uma resposta